Nova Arena é mistério para Beto e Osmar

Fundo de Desenvolvimento Eco­­nômico (FDE), potencial construtivo especial, isenção fiscal… Os termos usados na triangulação entre Atlético, prefeitura de Curitiba e governo do estado, que sacramentou a Arena como subsede da Copa de 2014 não são de conhecimento do próximo governador do Paraná.

Tanto Beto Richa (PSDB) quanto Osmar Dias (PDT), os dois principais concorrentes ao Palácio Igua­­çu, não sabem como se deu a negociação que resultará na aplicação de cerca de R$ 90 milhões (2/3 do total) que ainda faltam para fechar o projeto do estádio rubro-negro e adequá-lo às normas da Fifa – o clube ficará responsável por complementar o investimento, estimado em R$ 138 milhões.

“Envolve a Copel?”, perguntou Dias, na terça-feira, durante sabatina promovida pela Gazeta do Po­­vo, em referência à possibilidade de investimento da companhia de energia do estado em troca do direito de rebatizar o complexo es­­portivo (processo denominado na­­ming rights). A ideia foi prontamente descartada pelo poder pú­­blico. “Sou a favor de que o BNDES [Banco Nacional de Desenvol­vi­­mento Econômico e Social] participe deste esforço. O BNDES tem uma linha de crédito para todos os clubes de futebol que quiserem investir nos seus estádios para ser sede da Copa. Dinheiro público não pode ajudar a construir obras privadas”, emendou o pedetista, propondo uma alternativa rechaçada pelo Atlético desde que o ban­­co não aceitou o potencial cons­­trutivo como garantia.

Apesar de ter influenciado nas costuras políticas que terminaram na indicação de Curitiba entre as 12 subsedes, Richa também não conseguiu se aprofundar no tema. “O governo do estado e a prefeitura encontraram algumas fórmulas. A [parte] da prefeitura eu sei que é tro­­ca de potencial construtivo, não envolve recurso público direta­­men­­te, porque isso a lei veda. De resto, não tenho mais acompanhado”, resumiu o tucano.

Ironicamente, a transação foi li­­derada por correligionários dos dois candidatos: Luciano Ducci (PSB), que assumiu a prefeitura após a saída de Ri­­cha, no fim de março, e o gover­­na­­dor Orlando Pes­­suti (PMDB), cujo partido integra a aliança encabeçada por Dias.

De acordo com o projeto, que ainda será apreciado pela Câmara de Vereadores e pela Assembleia Legislativa, o município fica encarregado de ceder R$ 90 milhões em títulos de potencial construtivo pa­­ra a construtora vencedora da licitação. O estado colocará à disposição da empreiteira recursos do FDE para o financiamento da obra.

Ou seja, a empresa pode pegar dinheiro emprestado do estado, lançando mão da comercialização do potencial construtivo, fixado em até R$ 5,5 milhões/ano, para quitar a dívida. O prazo para o pa­­gamento do débito é de 20 anos (quatro anos de carência), com correção de 2% mais a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) a cada 365 dias.Pode chegar a 9%.

Anúncios
Esse post foi publicado em Reportagens e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s