Poder público não sabe o que fazer com a Arena

Secretário especial fala em parceria público-privada e até em pedir apoio ao governo federal para viabilizar obra no estádio atleticano

Publicado em 21/04/2011 | Sandro Gabardo

O estouro do orçamento fez da Arena novamente um ponto de interrogação para a participação de Curitiba na Copa de 2014. Como os R$ 135 milhões previamente estimados não serão suficientes para finalizar o estádio nos padrões da Fifa, as autoridades locais terão de correr para encontrar uma saída financeira que não envolva o Atlético – o clube anunciou que não tem mais de onde tirar dinheiro para a construção.

Apesar de não confirmarem o aumento de R$ 40 milhões apurado pela Ga­­zeta do Povo, tanto o governo mu­­nicipal quanto o estadual admitiram um acréscimo inevitável nos custos. Dizem, porém, que o montante real depende de últimos acertos, como a isenção de impostos federais, prevista para a próxima semana.

“Não sabemos para quanto vai [a obra da Arena], mas tenho certeza de que não será R$ 135 milhões. Vamos conversar para levantar alternativas”, falou o secretário estadual para assuntos da Copa, Mário Celso Cunha. Entre as soluções possíveis estão a busca por uma parceria público-privada (PPP), por apoio do governo federal ou até mesmo negociar com a Fifa a mudança de itens do projeto visando ao corte de despesas.

A decisão do Atlético de anunciar que não aceita elevar suas despesas com a praça esportiva – clube e esferas do governo ofereceriam R$ 45 milhões cada pelo plano inicial – foi recebida com tranquilidade pelos parceiros, que evitaram críticas públicas. “Não dá para forçá-los [o Atlético] a mudar de ideia. Não existe nada no contrato que nos permita isso. Sabemos que é uma posição definitiva”, comentou Mário Celso Cunha.

“O Atlético tem razão de se preocupar com o aumento, mas vamos encontrar uma equação para o problema”, disse Luiz de Carvalho, secretário especial de Curitiba para assuntos da Copa, sem detalhar como superar o novo obstáculo.

O fato de o Furacão ter assinado documento na Matriz de Respon­­sabilidade se comprometendo a executar a obra e a prover os recursos junto com o BNDES levou o vereador da capital Pedro Paulo (PT) a pedir, em seu blog, a presença de dirigentes rubro-negros na próxima reunião da Comissão Especial da Copa, da qual é presidente, na próxima segunda-feira.

O entrave tem de ser resolvido rapidamente, pois se as obras não começarem até junho, a cidade estará fora da Copa das Confede­rações. “Trabalhamos com um cronograma de 18 meses”, confirmou Carvalho.

Fonte: Gazeta do povo, 01/04/2011, http://www.gazetadopovo.com.br/esportes/conteudo.phtml?tl=1&id=1118416&tit=Poder-publico-nao-sabe-o-que-fazer-com-a-Arena

Anúncios
Esse post foi publicado em Reportagens e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s