Sorteio das Eliminatórias é palco de protestos e desconfianças

Sorteio das Eliminatórias é palco de protestos e desconfianças

Com festa pomposa, que custou R$ 30 milhões pagos com verba pública, evento teve como foco polêmicas e incertezas sobre a preparação do país para Copa.

A mais cara cerimônia de sorteio já realizada para definir as Eliminatórias deu neste sábado (30) a largada ao Mundial de 2014. E apresentou ao mundo um Brasil e uma preparação de contrastes. Certezas e desconfiança. Festa e protestos. Bajulação e saia-justa. E cobranças.

Com manifestantes do lado de fora, a cúpula o futebol mundial e da política nacional, encabeçada pela presidente Dilma Rousseff, esteve na Marina da Glória, no Rio de Janeiro, onde 166 seleções do todo o mundo conheceram o caminho que percorrerão para apenas algumas delas voltarem ao país daqui a três anos.

Dilma afirma que o Brasil estará “muito bem preparado” para a Copa

O início sorteio das Eliminatórias para Copa do Mundo de 2014, na Marina da Glória, no Rio de Janeiro, teve como destaque a exaltação do Brasil como “país do Futebol”. A cerimônia desta tarde começou com o presidente da Fifa, Joseph Blatter, explicando o sorteio e pedindo o apoio do povo brasileiro e das autoridades locais.

“Estamos muito satisfeitos de voltar ao Brasil, após 61 anos. Precisamos do apoio da entidades, dos comitês e do povo brasileiro para que a competição seja realizada com sucesso. A Fifa confia no Brasil, sabemos de suas habilidades. É um país que tem um lugar de destaque no futebol mundial, produzindo e reproduzindo estrelas”, afirmou o dirigente, antes de chamar a presidente da República, Dilma Roussef.

Dilma deu prosseguimento ao discurso adotado por Blatter e tratou de exaltar o futebol brasileiro, além de apontar o “orgulho” do povo pelo atual momento econômico vivido pelo Brasil e convidar pessoas de todos os países do mundo para acompanhar a competição.

Leia a reportagem completa

Sustos

Cerca de duas mil pessoas presentes viram o governador do Rio, Sérgio Cabral, e o prefeito da cidade, Eduardo Paes, comemorarem o evento bancado por eles com verba pública: R$ 30 milhões.

Mas nem todo o dinheiro investido evitou sustos. Como as estruturas foram feitas em tendas provisórias, elas sofreram o impacto do vendaval que atingiu o Rio e Janeiro pouco antes. Barras de ferro se soltaram, placas voaram, vários funcionários tiveram de fazer reparos às pressas.

O barulho intenso sob as lonas causou apreensão, com as pessoas olhando constantemente para cima, inclusive durante o discurso de abertura de presidente da Fifa, Joseph Blatter.

Polêmicas

Suspeito de corrupção na entidade que reúne mais países do que a própria ONU, Blatter teve de encarar no Brasil vários questionamentos durante a semana que antecedeu ao evento. Garantiu que a Fifa terá um novo comitê de ética, prometeu mudanças, mas se incomodou com a troca do foco da festa para a contestação da sua gestão.

Mesmo assim se comportou melhor do que o presidente da CBF, do Comitê Organizador Local (COL) e aspirante a seu sucessor, Ricardo Teixeira.

O cartola não deu entrevistas, chegou a discutir com um repórter inglês, na véspera do evento, e ainda foi alvo de um protesto.

“Queremos mais transparência na organização da Copa do Mundo. Defendemos os moradores que serão removidos por causa das obras da Copa e da Olimpíada de 2016, o direito dos comerciantes informais e até o dos torcedores que perderam a tradicional forma carioca de torcer com a nova reforma do Maracanã, onde estão gastando milhões [a obra conduzida pelo governo do Rio está orçada em R$ 705 milhões]”, explicou um dos responsáveis pelo movimento, Hertz Leal, encabeçado pela Frente Nacional dos Torcedores.

Pacífica, bem humorada, com cartazes onde estava escrito “Fora Ricardo Teixeira”, a passeata guiada por um carro de som, contou com cerca de 700 pessoas de acordo com policiais militares – entre eles professores e bombeiros que pegaram carona no movimento.

Na entrada da Marina da Glória, um texto sobre o protesto foi distribuído a todos os jornalistas estrangeiros. Alvo de vários mimos preparados pela organização – como jantares exclusivos, pedacinhos do Maracanã e a famosa caipirinha –, eles deixarão o país também com muitas dúvidas.

Entre elas, o aumento no orçamento, o excessivo investimento público, a demora nas obras e até a mais recente, com intervenção do Ministério Público e a possibilidade de interdição nas obras do estádio, palco da abertura em 12 de junho de 2014, e do qual eles levarão um pequeno entulho na mala.

*A jornalista viajou a convite do Itaú, patrocinador da Copa do Mundo de 2014.

 

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/copa2014/eliminatorias/conteudo.phtml?tl=1&id=1152726&tit=Sorteio-das-Eliminatorias-e-palco-de-protestos-e-desconfiancas

Anúncios
Esse post foi publicado em Reportagens e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s