A COPA (DO MUNDO) DA FIFA

08.maio.2012 05:31:34

AP

Hoje, estou em Zurique e escrevo esse blog da sede da Fifa. Na realidade, de um anexo à Fifa, já que a entrada de jornalistas ao edifício central é rigorosamente controlada.

A cupula da Fifa recebe com todas as honras uma delegação brasileira de peso para tomar decisões importantes sobre a Copa do Mundo de 2014. Até uma bandeira do Brasil foi colocada na entrada. Na porta da Fifa, um Jerome Valcke nervoso foi surpreendido por um abraço do ministro dos Esportes Aldo Rebelo, que há apenas poucos meses havia pedido o afastamento do cartola francês por conta de seus comentários sobre o “chute no traseiro” que o Brasil mereceria.

Mas a cena me fez voltar a pensar em uma questão que há anos tento decifrar: afinal de contas, quem é que ganha na Copa do Mundo. E quem é que paga…

A Fifa impôs sua lei, assim como fez na África do Sul e na Alemanha. E não adianta agora dizer que não sabia que seria assim. Em 2007, quando o governo e a CBF assinaram os documentos, ninguém colocou em dúvida isso. Julio Grondona, vice-presidente da Fifa, foi claro há algumas semanas em uma entrevista que me concedeu. “A Copa é da Fifa. Só é realizada no Brasil”, disse. Bebeto, que hoje atua pelo COL, confessou a mim ontem que era normal essa atitude da Fifa. “Foi o Brasil quem pediu para sediar a Copa. Fomos nós que solicitamos”, disse.

Ela bem pode ser da Fifa. Mas o que precisa ficar claro é quem é que paga pelo evento e quem é que lucra com ele exatamente.

Os números são categóricos. Em 2011, a Fifa já fechou contratos comerciais para 2014 em um valor de quase US$ 1 bilhão e mesmo sua cúpula admite que o montante é superior às previsões. Até 2014, os contratos chegarão a mais de US$ 3,8 bilhões, US$ 600 milhões a ais que na África do Sul e duas vezes superior à Copa da Alemanha, considerada como um sucesso absoluto.

O governo ainda tem uma nova preocupação: o uso de especificações técnicas pela Fifa para “empurrar” produtos e serviços justamente de empresas que tem contratos com a Fifa. A técnica é simples: a Fifa apresenta suas exigências, com amplos detalhes técnicos. Depois, descobre-se que apenas uma empresa tem a capacidade de produzir o material ou o serviço justamente como quer a Fifa. Quem paga…o governo ou os empreendedores das obras no Brasil.

O Ministério dos Esportes afirma estar atento a isso e já foi alertado até mesmo pelos organizadores das Olimpíadas de 2012, em Londres, de que essa é uma prática recorrente.  O trabalho do governo tem sido o de tentar entender se uma especificação técnica é algo neessário, ou apenas uma jogada comercial, seja para gramados, tecnologia em estádios e outros serviços.

Pior, o próprio governo já não sabe dizer se essa estratégia da Fifa já “colou” em algumas áreas, sem que ninguém tivesse captado a jogada antes.

Lembro-me como, na África do Sul em 2010, perguntei à ministra de Relações Exteriores do país o que ela recomendaria ao Brasil, diante da experiência que haviam adquirido em sete anos de preparações. Ela foi contundente: “Façam uma Copa para o povo brasileiro, não para a Fifa”. Pode já ser tarde demais…

Foto: Jamil Chade/AE

Anúncios
Esse post foi publicado em copa 2014, Reportagens e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s